sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Procurador da República esclarece como funcionava organização que desviava recursos públicos em Patos e região [VÍDEO]

Aconteceu na manhã desta sexta-feira, dia 16, no auditório do Fórum Miguel Sátiro, em atos, a entrevista coletiva para esclarecer a operação deflagrada pelo Ministério Público Federal e que contou com o Ministério Público Estadual (MPE) e seu Grupo de Atuação Contra o Crime Organizado (GAECO), com a Controladoria-Geral da União (CGU) além de agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) para desarticular uma quadrilha que atuava com fraudes licitatórias na Prefeitura Municipal de Patos e mais dezenas de outras no sertão paraibano. A coletiva foi comandada pelo Procurador da República do MPF, Dr. João Raphael.

De início, o Procurador da República, Dr. João Raphael, relatou a importância da integração entre os órgãos envolvidos na ação e fez questão de destacar que o MPF tem se mantido firme no combate a corrupção e disse que o Ministério Público pode e deve investigar. O Procurador destacou que a sociedade se posicionou contra a PEC 37 que retirava o poder de investigação e graças a isso garante que os órgãos continuem sua missão de combater a corrupção que assola o país.

Dr. João Raphael explicou como funcionava o “esquema criminoso” e já durava mais de uma década, tendo como chefe a Livraria Dom Bosco. O esquema orquestrava fraudes licitatórias em diversos municípios do estado Paraibano e que foi se aperfeiçoando com o passar dos tempos, inclusive com a criação de empresa fantasma denominada Mix Mercadinho, pertencente à família dos donos da Dom Bosco. O proprietário da Papelaria Patoense, que fez opção por delação premiada, disse, em depoimento, que sua empresa era usada de forma direta, pois facilitava o esquema das licitações na modalidade carta convite.

O Procurador disse que o filho de João Bosco (em memória), Alexandro, assumiu as transações do pai e deu início a uma empresa denominada AMPLA. “A empresa Ampla passou a atuar em licitações no Estado, fazendo contratos milionários com vários municípios. Informo a vocês que o preso preventivamente e aqueles conduzidos a Procuradoria da República, apenas um deles prestou depoimento, o preso e outros conduzidos se reservaram o direito de ficar calados e disseram que só falam durante o processo que vai se iniciar”, comentou Dr. João Raphael.

A secretária de Assistência Social do Município de Patos, Helena Wanderley, prestou esclarecimentos aos órgãos da operação. Helena é citada como a pessoaa que se envolvia intermediando as negociações. Dr. João Raphael disse que, apesar da condução coercitiva, todas as pessoas não resistiram em se dirigir ao MPF para os esclarecimentos.

O ex-secretário de Administração da Prefeitura Municipal de Patos, Corsino Peixoto, se encontra foragido, porém os advogados do mesmo fizeram contato com o MPF e disseram que ele irá se apresentar para os devidos esclarecimentos.

O representante da Controladoria-Geral da União (CGU), Dr. Fábio Araújo, revelou que as quantias envolvidas nas fraudes podem chegar, nos últimos três anos, aos 50 Milhões de Reais. Dr. Fábio também elogiou a colaboração dos órgãos envolvidos na operação. “O grupo agia em Patos e na região. Tratam-se de recursos que deveriam ser disponibilizados em nome da saúde, educação, assistência social...isso a gente entende que é inadmissível do ponto de vista de um estado que tem as fragilidades de recursos, as necessidades que já tem e de um povo que passa por todas essas , inclusive do momento econômico que nós vivenciamos”, comentou Dr. Fábio.

Perguntado sobre a ausência da Polícia Federal na ação, o Procurador da República apenas lamentou o fato.


OUÇA entrevista com Dr. João Raphael:

CLICK AQUI




CLICK AQUI E ASSISTA A REPORTAGEM FEITA PELA TV PARAÍBA


Fonte Jozivan Antero – Patosonline.com




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...