terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Magistrado nega recurso do MP e mantém solto suspeito de matar agente na Capital

O desembargador Joás de Brito Filho teria mantido a decisão tomada na madrugada de domingo (22), que impede a prisão de Rodolpho Carlos, suspeito de atropelar e matar o agente de trânsito Diogo Nascimento, que coordenava uma blitz da Operação Lei Seca no sábado (21) no bairro do Bessa, em João Pessoa. O documento tem a assinatura do desembargador; veja abaixo.

Segundo o Correio Online, o 2º procurador de Justiça Criminal do Ministério Público da Paraíba (MPPB), José Roseno Neto, havia requerido ao Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), a reconsideração da decisão que concedeu habeas corpus em favor de Rodolpho.

“Não existe previsão legal de recurso em relação a decisão liminar concessiva de habeas corpus, mas requeri a reconsideração devido à repercussão do fato”, justifica o procurador José Roseno, ressaltando em seu pedido: “No caso dos autos, percebe-se que a magistrada, ao decretar a prisão temporária, demonstrou adequadamente qual o motivo que a ensejou, descrevendo e fundamentando todos os pressupostos legais necessários a constrição de liberdade, tendo em vista a prisão do paciente ser imprescindível para a elucidação dos fatos (…).

Porém, o desembargador indeferiu o pedido. Em sua decisão, Joás de Brito, alega que "não cabe recurso na decisão de relator que concede ou nega liminar de habeas corpus".

Fonte Portal Correio


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...